Gente & Comportamento

Entenda os benefícios da academia a partir dos 60 anos

Praticar exercícios físicos é fundamental na terceira idade

Quando se pensa no público de uma academia, nem sempre se lembra de pessoas de maior idade, seja pelas propagandas que vemos na TV e na internet, com jovens dominando esses espaços, ou mesmo por falta de conhecimento de causa, mas saiba que isso já virou coisa do passado.

É super comum ver pessoas idosas frequentando as academias, o que é excelente para a sua saúde física, mental, emocional e social, com benefícios, inclusive, cuja diferença é ainda mais significativa do que nos jovens.

Saiba quais são as vantagens proporcionadas pelas atividades físicas na terceira idade e entenda porque o número de praticantes nesta faixa etária só tende a aumentar.

Quais são as vantagens de se exercitar na terceira idade?

Várias. Depois de conhecê-las, ficará evidente porque essa parcela da população pode (e deve) ocupar as academias Brasil afora!

Prevenção de doenças

Ficar doente é uma situação desagradável em todas as idades, em especial quando se trata de pessoas idosas, que tendem a ter imunidade e resistência reduzidas graças ao passar dos anos, o que faz com que doenças relativamente simples possam trazer um sério grau de preocupação.

Além disso, a incidência de doenças cardiovasculares, diabetes, osteoartrite e outras condições degenerativas aumenta com a idade, o que resulta em uma diminuição dos movimentos, falta de equilíbrio e mais quedas.

Um grande motivo para frequentar a academia depois dos 60 é melhorar a capacidade do corpo de se proteger contra doenças e enfermidades, o que é tão benéfico para a saúde quanto para o bolso.

De acordo com o artigo “Aging, Physical Activity, and Disease Prevention 2012”, publicado no Journal of Aging Research, pessoas mais velhas que são fisicamente ativas têm aproximadamente 21% menos probabilidade de ser diagnosticadas com demência do que quem não se exercita.

Nele, também consta a informação de que as terapias com exercícios são amplamente aceitas como ferramentas úteis na prevenção e tratamento de várias doenças.

Recomenda-se que os idosos pratiquem pelo menos 150 minutos de atividades aeróbicas de intensidade moderada ou 75 minutos de atividades intensas por semana, embora dobrar esse período possa trazer resultados ainda melhores.

Melhoria da saúde mental

A lista de benefícios dos exercícios físicos para a saúde mental é enorme, mas um que merece destaque é a produção de endorfina, termo que foi criado pela junção de duas palavras: “endo” (interno) e “morfina” (analgésico), ou seja, é um “remédio” natural que ajuda a combater as dores.

Alguns dos principais efeitos da endorfina são melhoria da memória, bom humor, sistema imunológico e concentração, aumento de resistência e disposição física e mental, bloqueio de lesões dos vasos sanguíneos e até mesmo efeito de combate ao envelhecimento pela remoção de radicais livres.

Tudo isso ajuda a entender porque a endorfina é conhecida como o hormônio do prazer e da felicidade, o que é excelente de se saber e vivenciar, principalmente quando não é preciso consumir nenhum medicamento para tal.

Outro fator que também influencia na saúde mental é a qualidade do sono, o que tem uma importância ainda maior para pessoas idosas, que geralmente sofrem de insônia e não possuem padrões de sono bem definidos.

Melhor engajamento social

Infelizmente, a terceira idade pode ser uma fase de afastamento social, seja dos amigos, da família ou da sociedade em geral, o que não é nada bom, principalmente a médio e longo prazo, pois pode resultar em sentimentos como solidão ou depressão.

Quando se pratica exercícios físicos, este pode ser um momento de descontração, diversão e entretenimento, muito além de uma atividade que visa trabalhar apenas com a saúde. Algumas das possibilidades são iniciar ou se juntar a um grupo de caminhada, participar de aulas de pilates ou juntar os amigos para se exercitarem em uma academia ao ar livre, todos juntos, o que trará um sentimento bastante positivo aos idosos.

Ao encontrar um tipo de exercício que a pessoa gosta e ter outras pessoas que o acompanhem, a tendência é de que atividade se torne prazerosa e positiva também no aspecto social.

Quando começar a praticar exercícios físicos na terceira idade?

O quanto antes. Não há uma idade mínima ou máxima para iniciar: o que importa é manter o corpo e a mente ativas.

Social e culturalmente, a terceira idade costuma ser analisada como uma fase não tão ativa da vida, o que não é verdade, também por conta dos avanços da medicina e da tecnologia, os quais permitem que a saúde seja mantida e preservada por muito mais tempo.

Para fins de comparação, compare a evolução da expectativa de vida ao nascer, respectivamente, de homens, mulheres e brasileiros em geral, com o passar dos anos:

 

  • 1940: 42,9 / 48,3

  • 1950: 45,3 / 50,8

  • 1960: 49,7 / 55,5

  • 1970: 54,6 / 60,8

  • 1980: 59,6 / 65,7

  • 1991: 63,2 / 70,9

  • 2000: 66,0 / 73,9

  • 2010: 70,2 / 77,6

  • 2014: 71,6 / 78,8

  • 2015: 71,9 / 79,1

  • 2017: 72,5 / 79,6

  • 2019: 73,0 / 80,0

Isso quer dizer que, de 1940 a 2019, a expectativa de vida dos homens aumentou 30,1 anos, enquanto a das mulheres aumentou 31,7 anos. Logo, é de se esperar que, em geral, uma pessoa com 60 anos de idade hoje tenha uma saúde bem melhor do que alguém com 60 anos na década de 1960.

Por consequência, a prática de exercícios físicos pode se estender à terceira idade tranquilamente, a qual é capaz de beneficiar o corpo, a mente e os relacionamentos sociais dos envolvidos.

Outra informação, esta da pesquisa “Características Gerais dos Domicílios e dos Moradores 2018”, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostrou que a população com 65 anos de idade ou mais cresceu 26% entre 2012 e 2018, um reflexo direto do envelhecimento saudável.

É por tudo isso que a academia para idosos é uma tendência que deve continuar aumentando com o passar do tempo. Se você está na terceira idade, comece o quanto antes a se exercitar, e se ainda não estiver, influencie as pessoas que conhece a fazê-lo. Assim, teremos uma população idosa cada vez mais saudável!

Deixe uma resposta