Ciência e Tecnologia Notícias

CENIPA forma novos elementos-certificados, no CPAA com Lauro Castilho como orador

No dia 17 de maio, foi realizada a cerimônia de encerramento do Curso de Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CPAA), no CENIPA, em Brasília/DF. Com a duração de duas semanas, participaram do curso militares da Marinha do Brasil, da Força Aérea e do Exército Brasileiro. Além deles, foram também concludentes do CPAA integrantes das Forças Armadas das nações amigas: Bolívia, Chile e Paraguai; e profissionais de diversas empresas e organizações ligadas à aviação civil brasileira.

DSC 4818

Estiveram presentes as seguintes autoridades: o Chefe do CENIPA, Brigadeiro do Ar Frederico Alberto Marcondes Felipe, o Vice-chefe do Centro, Coronel Aviador Valter Barreto Silva, o Chefe da Divisão de Formação e Aperfeiçoamento (DFA), Coronel Aviador Alexandre Lima Prado, e o Adido da Força Aérea Chilena, Coronel Aviador Andrés Leiva.

Com a finalidade de formar profissionais para atuar na análise técnico-científica da ocorrência aeronáutica e dela retirar valiosos ensinamentos, o CPAA abordou diversos temas, como: psicologia empregada; fator material; reações a mudanças e erro humano; prevenção no espaço aéreo; aspectos médicos; segurança em pátio de manobras; gerenciamento do risco de fauna; prevenção de acidentes na aviação de asas rotativas; automação na aviação; riscos psicossociais no trabalho; prevenção nas operações policiais e na defesa civil; RELPREV; SGSO.

Por conta da significativa dedicação desta turma, e pela primeira vez num curso ministrado no Centro, houve relevante número de concludentes que alcançaram o Grau Máximo, ao final do curso. Foram 29 os concludentes que alcançaram a maior nota.

DSC 4834

Durante a cerimônia de encerramento, o orador da turma, Sr. Lauro Castilho, afirmou que a capacitação desses profissionais foi iniciada no CENIPA, mas que a dedicação para a absorção de conhecimento não findaria neste momento. Reforçou que, “assiduamente, estarão estudando e aplicando os conceitos de prevenção, uma vez que não importa a magnitude da tecnologia empregada na aviação, o fator humano tem participação relevante no processo, pois sempre tomará a decisão final.”

Deixe uma resposta