Agronegócio

Cultivo sustentável e dietas alternativas serão determinantes para o futuro da aquicultura

Cada vez mais idealizadas por especialistas e exigidas pelos consumidores, técnicas como o Sistema RAS e dietas alternativas para peixes são apontadas como tendência no setor

O peixe tem sido um alimento cada vez mais presente na mesa dos brasileiros, que consomem em média 10 quilos da proteína anualmente. Os dados são do Anuário PeixeBR da Piscicultura (2018), da Associação Brasileira da Piscicultura (PEIXE BR), que também mostra que o Brasil é o quarto maior produtor mundial de tilápia, espécie que representa 55,4% da produção no país.

Com o aumento do consumo, também surge a necessidade de tecnologias inovadoras que potencializem a produção, diminuam os impactos ambientais e se adaptem às novas exigências do mercado. As técnicas de Sistemas de Recirculação Intensivos para Aquicultura (RAS) e novas dietas à base de minerais orgânicos e leveduras são apontadas por especialistas como tendência para o futuro do setor e serão apresentados durante One: Simpósio de Ideias Alltech (ONE19), que ocorre entre os dias 19 a 21 de maio na cidade de Lexington (KY), nos Estados Unidos.

Um ponto de atenção para o segmento no Brasil é a dieta dos animais. De acordo com a coordenadora técnica de aquicultura da Alltech, Carolina Faria, a matéria-prima base na alimentação dos peixes (farinha de peixe) está se tornando escassa no mercado. Com este cenário, há necessidade de procurar opções que sejam sustentáveis, mas que mantenham o bom desempenho do animal. “O Brasil é um país muito rico em matérias-primas como milho e soja, que são hoje muito utilizadas e viabilizadas em dietas de peixe quando associadas com aditivos para melhorar seu aproveitamento”, explica Carolina.

Com uma dieta à base de minerais orgânicos e leveduras, por exemplo, é possível manter a rentabilidade econômica e potencializar a produtividade “Pesquisas comprovam a eficiência deste tipo de dieta, que age reduzindo os riscos de mortalidade e prejuízos na produção. Além disso, por meio dos alimentos derivados de leveduras, é possível melhorar a saúde e a imunidade do peixe”, destaca Carolina.

Técnica de RAS

A técnica RAS já vem sendo utilizada por países de primeiro mundo, como por exemplo, os Estados Unidos (EUA). Sua base consiste na criação de peixes em alta densidade, ou seja, de forma intensiva. Com ela, é possível controlar a qualidade da água, por meio de filtros, que separam e eliminam as impurezas: restos de rações, metabolitos e dejetos dos peixes. Desta forma, é possível produzir mais e com menos volume de água. De acordo com a Carolina Farias, a estimativa é de que em um período entre 6 e 10 anos isso se torne realidade no Brasil.

“A alta energia necessária para tocar o sistema pode o tornar inviável no Brasil, já que temos uma elevada tarifa para a utilizar, e isso acaba sendo nosso gargalo. Mas é preciso ter em mente que muitas tecnologias revolucionárias que utilizamos hoje, um dia foram vistas como inviáveis. Então, é essencial termos o conhecimento, pois vamos cada vez mais começar a ser cobrados por um cultivo mais sustentável e rentável ao mesmo tempo. Quem tiver a consciência disso, já vai sair na frente”, finaliza Carolina Farias.

Serviço:

One: Simpósio de Ideias Alltech 2019

19 a 21 de maio de 2019

Inscrições: one.alltech.com/br

Mais informações: eventosbr@alltech.com e (44) 3123-9543

*Tradução simultânea para português. Consultar disponibilidade nas salas.

Inscrições

Os interessados em participar do evento já podem realizar suas inscrições pelo site oficial do simpósio: one.alltech.com/br. O valor é de US$ 1.119,00.

Deixe uma resposta