Cidade & Região

HISTORIADOR VISITA MORRO VERMELHO E DESTACA IMPORTÂNCIA ARQUEOLÓGICA

O lugar denominado Morro Vermelho, em Estrela do Sul, um sítio arqueológico que fica a quatro quilômetros do bairro Bagaginha, pode ter riquezas não calculáveis e mistérios que precisam ser desvendados. A afirmação foi feita pelo historiador e pesquisador Cláudio Scarparo Silva, que visitou o local, em companhia de seu filho, Samuel, do professor e historiador Mário Lúcio Rosa, e do jornalista, advogado e ex-vereador em Estrela do Sul, Pedro Divino Rosa, o Pedro Popó.

Cláudio Scarparo, que residiu em Estrela do Sul na década de 1990, é um dos nomes mais respeitados em Minas Gerais na pesquisa histórica e arqueológica, tendo já descoberto diversos sítios arqueológicos no pontal do Triângulo Mineiro e no Planalto de Araxá. “O Morro Vermelho remonta aos grupos caçadores e coletores, há mais de cinco mil anos, que utilizavam a pedra como ferramenta, e com toda certeza, num período mais recente havia ali uma aldeia indígena cuja etnia ainda é desconhecida”.

Na expedição feita ao lugar, a comitiva encontrou material lítico (de pedra lascada), analisou as rochas existentes por entre as árvores e verificou a presença de terra preta, típica de ocupações humanas. De acordo com ele, também, possivelmente há milhões de anos o local foi povoado por um rio ou grande lago. “Além de importante sítio arqueológico o local é um monumento paisagístico natural de interesse de preservação obedecendo os ditames da Constituição Federal”, salientou o pesquisador.

O Morro Vermelho, em Estrela do Sul, foi considerado sítio arqueológico na década de 1990. Na época, o jornalista Pedro Divino Rosa, o Pedro Popó, que era vereador em Estrela do Sul, requereu ao governo estadual o reconhecimento do lugar, visando transformá-lo em ponto turístico. “O Iepha-MG considerou o lugar como sítio arqueológico e isso gerou pontuação do ICMS cultural naquele período”, informou o professor Mário Lúcio Rosa. Mário Lúcio foi secretário municipal de Cultura e Turismo de 2001 a 2008.

Texto e fotos Mario Lucio

Deixe uma resposta