Colunistas

VOCÊ NÃO ESTÁ FAZENDO DE SEU FILHO UM MINI ADULTO?

Hoje, quando levei minha filha ao balé, fiquei lá a observando e nesse momento veio à tona a pergunta: “O que estamos fazendo com a infância de nossos filhos?”. Não digo pelo balé, mesmo porque ela adora dançar e na turminha dela mais se brinca do que dança e são apenas 30 minutinhos. Mas semana passada ela simplesmente deu show e não quis ficar para dançar. Eu, calmamente a peguei em meu colo e disse que estava tudo bem, afinal, não é todo dia que estamos dispostos a praticar alguma atividade cotidiana não é mesmo? E o ponto está justamente aí. Até onde podemos exercer a pressão para que nossos filhos façam o que na verdade é uma vontade ou sonho nosso e não deles?

Aos quatro anos a criança já está na escola meio período ou tempo integral, faz inglês, espanhol, balé, caratê, natação, aula de música, etc. E onde fica o tempo para brincar e fazer descobertas? É um tal de que os tempos são outros, que hoje em dia é preciso preparar intelectualmente a criança para um ambiente competitivo de trabalho e para isso é necessário que desenvolva desde cedo habilidades e amplie seus conhecimentos em diversas áreas… Ufa, cansei só de imaginar o que é exigido hoje em dia das crianças!

Sim, os tempos são outros, mas tem tempo para tudo. Os pais têm se preocupado demais com o crescimento intelectual e esquecido o emocional, os quais não andam juntos, absolutamente! Já perceberam quantas crianças sofrem hoje em dia de depressão, ansiedade, dentre outros distúrbios psicológicos? Toda essa pressão tem gerado “mini adultos”. Crianças se vestindo, falando e agindo como adultos. Não é raro eu ver na minha timeline uma garotinha toda fashion, maquiada, com decote, com um super estímulo de vaidade e, pior, perdendo a melhor fase de sua vida: a infância.

Já pensaram em quais consequências isso poderá lhes trazer na fase adulta? A verdade é que cada ser humano precisa viver cada fase de seu crescimento de forma intensa. Claro que os pais podem e devem estimular habilidades, mas sempre respeitando os limites de cada criança. Só assim a criança desenvolverá seu emocional de forma saudável, baseando-se em suas próprias experiências e descobertas. E isso só será possível a partir de um relacionamento familiar saudável, amparado pelo respeito e compreensão.

Nós pais precisamos entender que não será o excesso de responsabilidades que fará de nossos filhos adultos de sucesso. Muitas vezes, será em uma brincadeira que ele descobrirá aptidões e habilidades. É preciso educar, estimular e promover o crescimento intelectual, mas sempre respeitando a maturidade de nossos pequenos.

Cris Poli, apresentadora de televisão, pedagoga e escritora, dá algumas dicas sobre como os pais podem agir para que o filho receba estímulos sem que nenhuma fase de sua infância seja prejudicada:

* Organize a rotina de seu filho e supervisione as informações que recebe.
* Esteja presente na vida dele, participe mais de sua infância;
* Não exija demais dele, não imponha compromissos excessivos;
* Não compare seu filho com outras crianças, respeite sua individualidade;
* Estimule seu filho a brincar bastante e participe das brincadeiras;
* Estimule seu filho a cooperar com a família sem sobrecarregá-lo;
* Vista-o com trajes adequados à sua idade e não como um mini adulto;
* Elogie seu filho em cada conquista e acerto;
* Veja seu filho como uma criança e respeite-o como tal.

Uma dica minha é transformar a brincadeira em ensinamentos. Crianças assimilam melhor as informações quando estão em seu mundinho mágico. É possível, através de brincadeiras lúdicas, desenvolvermos o intelecto de nossos filhos sem exigir que eles cresçam antes da hora. Criança precisa brincar e é esse o caminho para formarmos adultos de sucesso!

Para sugestões para próximos artigos ou dúvidas, enviem e-mail para ericadhaiane@yahoo.com.br

Até a próxima! Por Érica Ferreira Garcia, “sou bióloga e consultora ambiental em horário comercial, e mamãe da Cecília em tempo integral!”

Érica Ferreira Garcia

bebe

Deixe um comentário